Skip to content

Top 5: os cinco lugares mais bonitos em que eu já estive (Capítulo 4)

January 1, 2013

ferias 2012 233

 

ferias 2012 206

 

ferias 2012 190

 

ferias 2012 165

 

ferias 2012 157

 

ferias 2012 115

 

Em segundo lugar na minha lista, está uma viagem muito esperada e planejada: Machu Picchu com Cuzco e Valle Sagrado. Sim, porque Cuzco e Valle Sagrado também merecem a visita e é impossível entender e apreciar Machu Picchu sem mergulhar na cultura inca. Aliás, na minha humilde opinião, menos de 5 dias na região é perda de tempo, pois você vai passar mal com o soroche (mal da montanha) e não vai ter tempo (nem ânimo) para explorar as atrações.

Vamos começar falando de Cuzco. Muita gente usa Cuzco apenas como cidade-base para explorar Machu Picchu e não visita as atrações da cidade. Isto é um erro, pois Cuzco sozinha já valeria a viagem. Capital histórica do Peru e antiga capital do Império Inca, Cuzco é especial pela mistura harmônica da herança inca com a arquitetura colonial (embora, como é sabido, a conquista do Peru tenha sido das mais sangrentas). Seu nome vem da palavra quéchua “Qósqo”, que significa “umbigo”. A cidade era o centro do Império Inca e todas as estradas construídas por aquele povo terminavam na cidade.

Outro aspecto interessante da cidade de Cuzco é que, reza a lenda, ela foi projetada pelos incas para ter o formato de um puma, animal sagrado para essa cultura pré-colombiana. Aliás, abundam nos templos incas as representações do puma (mundo atual), da serpente (que representava o “inferno”) e do condor (que seria o “céu”).

Após a conquista, muitos templos incas foram destruídos (exemplo de Qenqo, severamente danificado) ou sobre eles se construíram prédios coloniais e igrejas (como ocorreu com o Qoricancha, sobre o qual foram construídos a Igreja e o Convento de Santo Domingo). Mas os incas eram exímios arquitetos e engenheiros e um desastre natural iria colocar em evidência essa faceta de sua cultura. No ano de 1950, um violento terremoto destruiu a região de Cuzco, colocando abaixo várias construções históricas, entre elas a Igreja de Santo Domingo. Qual não foi a surpresa dos peruanos ao constatar que todas as construções incas permaneceram de pé, com mínimos danos. Sem dúvida, foi um evento importante para a enorme comunidade indígena da região, oprimida durante anos e proibida de falar seu idioma, o quéchua.

Taí uma outra beleza de Cuzco: o seu povo. Muito educado e solícito, o povo de Cuzco abraça o turista com a sua simpatia e vive com dignidade do turismo. Mesmo os mais pobres se esforçam para atender os turistas que não falam espanhol e você, em regra, não vê os achaques a estrangeiros tão comuns em Pindorama.

Outro highlight é a Catedral de Cuzco, considerada a mais bonita das Américas junto com a Catedral da Cidade do México. O título é merecido, como fazem prova o Cristo negro vestido de roupa indígena e o incrível altar em madeira inspirado na Catedral de Sevilha. Junto com a Iglesia de La Compañía e a Iglesia de La Merced, a Catedral é imperdível.

Mas Cuzco não vive só de igrejas: os templos incas ao redor da cidade são bem legais. Destaque para Tambomachay e Sacsayhuamán, esse último um símbolo do renascimento de Cuzco após os anos negros do Sendero Luminoso. É que, após anos com pouco movimento turístico por conta do terrorismo maoista, Cuzco recebeu a visita de João Paulo II quem, para mostrar apoio ao povo de Cuzco, resolveu rezar uma missa em Sacsayhuamán para demonstrar que a região era segura.

Igualmente deslumbrante é o Valle Sagrado, com as imponentes ruínas de Pisac e Ollantaytambo e o colorido mercado indígena de Pisac. Na região, recomendo ainda Chinchero, uma antiga redução jesuíta com uma vista sensacional para as montanhas Tipón, Verónica e Salkantay, todas com mais de 6.000 metros de altitude.

Machu Picchu dispensa comentários: ela é tudo que você imagina e muito mais. O show começa ainda no trem (dá para ir por uma trilha de 4 dias também), com a paisagem mudando da vegetação altiplânica para a floresta amazônica diante dos seus olhos, com o rio Urubamba sempre ao lado do trem. A temperatura também muda: saí de Poroy com 0º C e cheguei a Águas Calientes (última cidade antes de Machu Picchu) com 30º C.

Chegando a Machu Picchu, não tem como não dizer “uau!” diante da primeira panorâmica da cidade. Redescoberta pelo explorador americano Hiram Bingham no início do século XX, Machu Picchu é extraordinariamente preservada. Pena que tenha sido pilhada por Bingham em um episódio mal explicado (farei um post sobre isso depois), o que nos impediu de ver as extraordinárias peças de ouro que certamente existiam em seu interior – como cidade-templo, Machu Picchu devia ter muitas peças em ouro e prata. Visitá-la é um bom exercício (o sobe-e-desce é intenso) e não há banheiros ou restaurantes dentro dos muros da cidade sagrada, mas todo o sacrifício é recompensado pelo belo conjunto formado pela natureza e pelas construções incas.

Vou parando por aqui porque o Peru e a cultura inca merecem muitos posts. Prometo voltar ao assunto em breve.

About these ads

From → Uncategorized

Leave a Comment

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

Follow

Get every new post delivered to your Inbox.

%d bloggers like this: